Aqui elas dão show!

Loading...

sábado, 28 de janeiro de 2012

Coreógrafos - Renata Monier



Renata Monnier é bailarina, professora de dança e coreógrafa. Recentemente não só o mundo do samba pôde acompanhar o drama vivido por Renata, que resistiu a uma meningite não diagnosticada precocemente. Ela sobreviveu, mas as sequelas permaneceram e hoje o drama da coreógrafa se tornou uma grande lição e uma grande declaração de amor à vida. 

Principais trabalhos como coreógrafa no carnaval carioca:

Rocinha (2004)
Porto da Pedra (2005)
Porto da Pedra (2006)
Tuiuti (2006) I
Império da Tijuca (2007)
Império da Tijuca (2007)
Lins Imperial (2007)
Lins Imperial (2008)


No vídeo a seguir você pode conferir a própria Renata contando sua história de vida.


video
A volta por cima de Renata Monier
Por Geissa Evaristo e Isaac Ismar (2010)

Renata Monier é uma mulher forte e de fé. Atualmente com 38 anos de idade, ela quase perdeu a vida no ano passado, quando teve meningite e foi desenganada pelos médicos. No período mais crítico da doença, Renata chegou a pesar 30 quilos e perder a memória. Muitos temeram pelo pior.

- Foi tudo muito louco. Estava trabalhando e fiquei três meses me sentindo mal. Ninguém descobria o que eu tinha. Fui internada na Santa Casa de Misericórdia e perdi a visão e a audição no hospital, mas os médicos pensavam que era um coágulo no cérebro. Eu já estava no estágio final da meningite, quando descobriram a doença. Depois fui transferida para o Hospital Pedro Ernesto, quando perdi 50% da voz e a memória. Chequei a pesar 30 quilos. Os médicos disseram que eu não sobreviveria. De uma hora para outra recuperei minha memória e parte da audição voltaram. A visão também está voltando - relatou.

Felizmente, o mundo do samba percebeu a gravidade da situação e decidiu se unir para ajudar Renata, que precisava de um medicamento que custa em torno de R$ 40 mil.

- Tive muita ajuda, pois precisava de um 'remédio milagroso milionário' que custa R$ 40 mil. Escolas como o Império da Tijuca, Tuiuti, Porto da Pedra, Salgueiro, Vila Isabel e Beija-Flor me ajudaram a comprar esse medicamento. O mundo do samba foi totalmente solidário comigo e ainda está sendo. Sempre comento com minha mãe o que seria de mim sem o carnaval - contou Renata, que tem dez anos na carreira de coreógrafa de comissão de frente.

Mas o pior já passou, embora tenha perdido parte da visão e da audição. No fim de 2009, ela recebeu e aceitou o convite do Paraíso do Tuiuti para comandar a comissão de frente da escola no carnaval desse ano.

- A expectativa é grande. Estou sendo bem recebida pela escola e tenho liberdade para trabalhar. Parece que estou começando a carreira de coreógrafa agora. No ano passado eu faria a comissão de frente do Império Serrano, antes de ficar doente. Como eu já havia feito o Tuiuti por duas vezes, o presidente Thor decidiu me convidar novamente, pois ele já tinha me prometido o posto, além disso, eu trabalhei com o carnavalesco Eduardo Gonçalves na Lins Imperial. Nos conhecemos bem. Quando deixei o hospital, em fevereiro de 2009, ele me disse que queria a trabalhar comigo - afirmou Renata.

Mesmo com algumas limitações - sequelas da doença -, a coreógrafa é a responsável pela concepção da dança da comissão de frente do Tuiuti. Segundo ela, a coreografia nasce no coração e na mente. Renata conta com o apoio de dois "anjos da guarda", como define seus assistentes, Adílson Lourenço e Odimar Rufino.

- Faço coreografia com o coração e a mente. Os olhos são só uma prótese. O que eu sinto é o que passo para os assistentes e bailarinos. Tenho a ideia e explico pra eles, escuto o samba-enredo e vou criando os desenhos coreográficos. A intenção e a expressão artística são minhas - explicou.

Os ensaios com o grupo de 12 rapazes e três mulheres, alguns amadores e outros bailarinos, começou em dezembro em uma academia em Vila Isabel. A intenção é manter os treinos de duas a três vezes por semana, além do ensaio técnico em São Cristóvão, próximo da quadra.

- O que vamos levar para a Avenida é segredo total. Só posso dizer que vamos apresentar muito amor para o público - disse.

Confiante no seu restabelecimento, Renata agradece a todos que rezaram pela sua saúde e continuam na torcida para que tudo termine bem.

- O processo é de pelo menos três anos de tratamento a base de medicamentos. Ainda preciso ingerir de dez a 12 remédios por dia e faço acupuntura e fisioterapia, que ganhei de uma amiga. Rezo todos os dias. Muitas pessoas estão em uma corrente grande pela minha cura. O meu marido (Leonel - compositor campeão no Salgueiro e Vila Isabel) tenta me engordar, pois ele ficou traumatizado quando fiquei muito magra. Tenho certeza que vou voltar ao normal. Quem viu o meu estado... Sou a prova viva que Deus existe - finalizou.

Durante o ensaio técnico que a Paraíso do Tuiuti realizou na Marquês de Sapucaí, Renatinha, como é carinhosamente chamada, confidenciou ao SRZD-Carnavalesco a emoção de estar presente no Carnaval 2010: - Não estou retornando ao carnaval, estou começando agora uma nova fase da vida. Emoção total, carnaval vai ser novo, tudo é novo.Voltei a viver! - emociou-se.

Renata Monier teve passagens pela Vila Isabel, Porto da Pedra, Rocinha, Lins Imperial, Paraíso do Tuiuti e Império da Tijuca.


Renata Monnier exalta nova percepção de dança após perder visão
Por Rafael Menezes (2011)

Se a princípio o assunto meningite parecia ser a abordagem única na entrevista com Renata Monnier, a doença acabou dançando durante a conversa com o SRZD-Carnaval. Mesmo com as consequências relativas ao problema de saúde que teve, a coreógrafa da comissão de frente da Alegria da Zona Sul destaca em suas palavras o quanto a capacidade profissional se elevou com a nova percepção que construiu sob a forma de elaborar o show de abertura de uma escola de samba.

Dos 40 anos de idade de Renata, 37 são dedicados ao ofício da dança. As sapatilhas de balé foram o primeiro passo para a correção de problemas nos joelhos, que afetavam seu crescimento quando criança. O pai decidiu colocá-la na dança, já que era avesso à alternativa indicada pelo médico na época: a natação. Com o rumo traçado aos 3 anos de idade, a coreógrafa assina comissões de frente desde 2000, quando estreou pela Vila Isabel.



A trajetória de Renata ganhara um empecilho devido à meningite após o Carnaval de 2008. Na época, a coreógrafa havia assinado contrato com o Império Serrano e seria responsável pela comissão de frente do enredo "A lenda das sereias e os mistérios do mar", reeditado pela escola no ano seguinte. A partir de então, a presença da filha, Rayara e da mãe, Regina, se tornaram importantes pilares emocionais para a bailarina.

"Algumas pessoas acham que perdi a capacidade de ensaiar uma comissão de frente porque perdi a visão. Porém, a maioria diz que tenho mais capacidade agora, após as consequências da meningite, do que antes. Não sinto nenhuma dificuldade. Meu sentimento em relação à dança agora é outro. Acima de tudo, quem trabalha com arte, trabalha com o coração", garante.

Com passagens pela Estácio de Sá, Império da Tijuca, Rocinha, Tuiuti, Lins Imperial e Porto da Pedra, Renata é enfática ao comentar o apoio dos amigos que têm no Carnaval ao longo de sua recuperação. "Devo muito a eles. Inclusive, meus bailarinos estão comigo até hoje", destaca.

Sintonia com grupo de bailarinos é o diferencial para o êxito nas coreografias

Em sua nova fase de trabalho, Renata aposta na intuição ao experimentar os desenhos coreográficos com seus bailarinos. "Só de me olharem, eles já sabem se estou gostando ou não, se estou bem ou de mau humor. A ansiedade de querer ver os movimentos é grande, porém, acredito piamente nestas pessoas", exalta.

Após um ano internada no hospital para tratamento, Renata, que chegou a pesar 35kg, se recuperou de forma surpreendente, fato que ela atribui, em grande parte, ao remédio importado em torno do qual os amigos focaram esforços para investir na possibilidade de cura da coreógrafa. "Não lembro o nome, só sei que era muito caro. Apelidei o remédio de 'milionário milagroso", comenta de forma divertida. Com o "mutirão" organizado por familiares e amigos, o tal 'milionário' chegou a serviço da cura.

Ao destacar a sintonia com Eduardo Gonçalves e Flávio Melo, respectivamente carnavalesco e diretor de Carnaval da Alegria da Zona Sul, Renata ressalta a característica acolhedora da escola. Além disso, colegas de ofício não deixaram de ser citados com entusiasmo pela coreógrafa.

"O Fabio de Mello é o grande incentivador do meu trabalho. Gosto também do trabalho do Sérgio Lobato e do Hélio Bejani. Todos eles sabem trabalhar com dança envolvendo os princípios do teatro e o contato com o público", elogia Renata, que prepara uma turma de 15 componentes sob a perspectiva de sua, agora ainda mais valiosa, imaginação.

Veja fotos do acervo de Renata Monnier:


Porto da Pedra - Comissão de frente (2005)


Participação na Herdeiros da Vila, Paraíso do Tuiuti e Porto da Pedra (nas duas últimas, foi responsável pela comissão de frente)

Renata Monnier é a nova coreógrafa da comissão de frente da Alegria da Zona Sul (2011)

A Alegria da Zona Sul definiu neste final de semana quem comandará a sua comissão de frente no próximo Carnaval. Seguindo a série de reforços da agremiação rumo ao título no Carnaval 2012, Renata Monnier é a mais nova contratada da vermelha e branca de Copacabana e tem a missão de somar o seu criativo trabalho com o lúdico enredo “Os Saltimbancos” do carnavalesco Eduardo Gonçalves.

Renata que já passou pela Porto da Pedra, Lins Imperial, Império da Tijuca, Paraíso do Tuiuti e Unidos do Jacarezinho é bailarina formada em todas as modalidades de dança e chegou a ficar afastada do Carnaval por motivos graves de doença, quando uma meningite, que se caracteriza pela inflamação das membranas que revestem o cérebro, quase a fez perder a vida, chegando a ser desenganada pelos médicos.

"Monnier é uma espécie de pé de coelho, fomos campeões juntos na Lins Imperial em 2007 e ganhamos o Carnaval pela Jacarezinho em 2008, além de competente ela tem a sensibilidade no mais alto tom e na medida certa para fazer um trabalho lindo e arrebatador, como a apresentação da escola e o enredo pedem", declara o carnavalesco Eduardo Gonçalves.

Na próxima sexta-feira (14/10), a premiada coreógrafa será apresentada à comunidade durante mais uma eliminatória de samba-enredo da agremiação que acontece a partir das 20 horas no Espaço de Ensaios e Eventos localizado no Clube dos Portuários.

A Alegria da Zona Sul será a 4ª escola a desfilar pelo Grupo de Acesso B no Carnaval 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário